A Justiça Eleitoral brasileira tem sido pioneira na utilização de novas tecnologias. Nas eleições deste ano serão disponibilizados aos eleitores e servidores onze aplicativos (Apps) para dispositivos móveis, que vão funcionar em smartphones e tablets com sistema operacional iOS ou Android. De acordo com o secretário de Tecnologia da Informação do TSE, Giuseppe Janino, em 2014, a Justiça Eleitoral disponibilizou quatro aplicativos e um deles esteve em primeiro lugar na Apple Store nos dias que antecederam as eleições gerais.

“O portfólio de aplicativos será lançado à medida que as eleições se aproximarem. As ferramentas vão possibilitar acesso às principais datas do processo eleitoral, consulta a processos, busca de informações sobre candidatos, consulta aos locais de votação, denúncias de irregularidade eleitoral, acompanhamento da apuração, além de ajudar os servidores a identificar eventuais problemas durante a preparação das urnas eletrônicas e reportá-los ao Tribunal Regional Eleitoral competente”, divulgou o Tribunal Superior Eleitoral em sua página na internet.

Três desses aplicativos já estão disponíveis para baixar na Google Play e na Apple Store: “Agenda JE”, “JE Processos” e “Candidaturas”. O primeiro oferece um calendário com as principais datas relacionadas às eleições, enquanto o segundo serve para acompanhamento dos processos eleitorais. Outro aplicativo será o “QR Code”, que permitirá que os eleitores chequem as informações contidas nos Boletins de Urna das seções eleitorais. O “Candidaturas” foi desenvolvido para que as pessoas acompanhem os seus candidatos. Novidade para este ano, o app “Agregador” tem como objetivo reunir informações úteis para os eleitores.

Mesmo com tantas opções, a grande expectativa é pelo lançamento nacional do app chamado “Pardal”, que foi utilizado somente no Espírito Santo em 2012 e em poucos estados em 2014. Esta ferramenta serve para que eleitores possam notificar irregularidades no processo eleitoral, fiscalizando toda a atuação dos agentes políticos. “Um cidadão comum tendo em sua frente um outdoor, ele tira uma foto e o App com facilidade e rapidez envia as evidencias para a Justiça Eleitoral Regional, que fará todo o trâmite de análise da denúncia. Permite ainda que o cidadão comum fiscalize e moralize a utilização das campanhas de forma muito eficiente e democrática em benefício de todo o processo eleitoral”, explicou Janino.

Além dos já citados, serão lançados também os aplicativos: “Onde votar ou justificar”, para facilitar o acesso ao local de votação e postos de justificativa; “Apuração”, para acompanhar os dados das apurações em tempo real; “Mesários”, para alertar os voluntários sobre procedimentos a serem seguidos; “QRUEL”, para auxiliar os servidores na preparação das urnas; e o “QRCode do RUNIN”, exclusivo para os servidores que farão a conferência das urnas para verificar o seu funcionamento.

DEIXE UMA RESPOSTA