Anna Carolina Martins

0
109

Anna Carolina Martins é advogada, foi vereadora de Itajaí entre os anos de 2013 e 2016. Neste período apresentou 51 denúncias ao Ministério Público e ao Tribunal de Contas do Estado de Santa Catarina (TCE) e elaborou mais de 900 proposituras, entre elas 45 projetos de lei.

No ano passado, Anna Carolina foi candidata a prefeita e conquistou 37.824 votos. Anna Carolina nasceu em Itajaí e foi criada no bairro São João, onde mora até hoje. Na política defendeu a preservação do patrimônio histórico, mais transparência aos gastos do dinheiro público e foi protagonista de uma incansável luta por melhorias na mobilidade urbana.

JSCA última eleição foi atípica, em que o prefeito se elegeu com praticamente um terço dos votos válidos. 10 meses depois você acredita que o cenário mudou ou o eleitorado segue convicto da escolha feita?

AnnaSentimos mudanças sim. Agora cabe a população dizer se foi para melhor ou não. No meu ponto de vista o Volnei Morastoni tem um estilo próprio de lidar com as pessoas e possui prioridades diferentes do ex-prefeito Jandir. Suas escolhas para ocupar Secretarias também variaram e cada um, a os poucos, vai impondo seu ritmo de trabalho. Os primeiros meses são cruciais, mas acredito que o povo esteja avaliando as promessas de campanhas ainda não cumpridas, os excessos de cargos comissionados, tantos os funcionários contratados não residentes em Itajaí, quanto os casos escandalosos de nepotismo, o fato de rejeitar quem o apoiou e tentar abraçar alguns opositores diz muito sobre o tipo de liderança que ele é também, além dos cortes financeiros feitos em pastas importantes para a comunidade, que atingiu principalmente as pessoas mais carentes. Como não se importar com o corte de bolsas de estudo e de uniforme para as crianças da rede pública?

JSCO primeiro governo do atual prefeito foi marcado por grandes escândalos de corrupção, principalmente no Porto. Ainda assim, foi um governo mais voltado à área social. Porém, nesta gestão, ele foi autor de cortes inéditos como os que a senhora citou, de bolsas de estudos aos universitários carentes e uniforme escolar para as crianças. Qual a sua avaliação dos seis primeiros meses de governo em Itajaí?

AnnaNos primeiros meses sabemos que existem dificuldades em organizar cronograma, mas alguns atos extrapolaram a normalidade. Como se justifica cortar o uniforme dos menores carentes e a bolsa de estudo de universitários alegando falta de recurso e ainda assim ser recordista em nomeação de cargos comissionados, comprar livro de autoajuda por mais de R$ 1 milhão e contratar show nacional sertanejo? Itajaí é uma das únicas prefeituras da região que ainda não aprovou projeto de reforma administrativa para economizar, mesmo alegando publicamente que não possui dinheiro em caixa, o que também não é de toda verdade, por que quase toda Santa Catarina se faz muito mais, com menos. A tentativa de trazer a soja para o Porto foi um erro gravíssimo, que apenas conseguimos brecar temporariamente graças à manifestação popular. Por fim, a omissão do prefeito em não cumprir decisão judicial e deixar de lançar edital de licitação para o transporte público me incomoda muito, pois sinaliza que além de não respeitar o itajaiense, ainda desdenha do judiciário e sabemos ao final como isso acabará. Acompanho os acontecimentos na nossa cidade e, infelizmente, vejo que as pessoas menos favorecidas estão sofrendo muito e não posso pactuar com isso.

JSCSempre houve um consenso de que Itajaí, mesmo sendo um dos maiores colégios eleitorais do estado, não tem representatividade junto a Assembleia Legislativa do Estado e Câmara dos Deputados, em Brasília. A que você atribui isso?

AnnaSalvo poucas exceções, acho que Itajaí não lançou candidato a altura do cargo. Os itajaienses não vão votar em candidato da cidade se ele estiver envolvido em escândalo judicial ou não tenha demonstrado trabalho com competência até agora. Também vejo que muitos nomes que bem nos representariam lá, não concorrem. Está faltando coragem.

JSCNa última eleição você conquistou um capital eleitoral invejável. Foi a mulher mais bem votada dentro do seu partido e a terceira mulher mais bem votada de Santa Catarina. Qual o próximo passo agora? Está se preparando para uma nova candidatura?

AnnaO período em que pude mostrar meu trabalho como vereadora acrescido a eleição à prefeita me deu densidade eleitoral para realizar um trabalho regional junto ao partido. Não posso negar que gosto de política e sei que posso ajudar mais estando na ativa. Se meu partido acatar e o povo assim quiser, serei candidata nas próximas eleições.

JSCVocê quebrou um jejum de mais de 30 anos ao se candidatar a prefeita em Itajaí. Como quebrar o machismo dentro da política?

AnnaEssa foi a tarefa mais difícil e o desafio mais importante da campanha. Temos por costume não querer ver o machismo, mas ele está aqui, no nosso dia a dia. Tive que ler e ouvir de profissional da imprensa, formador de reopiniões, que administrar uma cidade não era função de mulher. Não pedi votos por ser mulher, pedi com propostas fundamentadas que poderiam ser executadas. Não ganhei votos por ser mulher, ganhei por que as pessoas viram verdade no que falava. Os itajaienses me conhecem e não tem dúvida da minha postura ética e combativa. Tenho absoluta certeza que daria o meu melhor pela honra de representar essa cidade. Caráter, competência, respeito, credibilidade, não devem ser avaliados pelo sexo da pessoa. Ainda temos muito o que melhorar, mas a votação da nossa coligação demonstra que estamos no caminho. Espero que, nesse ponto, eu possa inspirar outras mulheres. A política precisa de nós.

JSCVocê recebeu grande destaque durante seu mandato como vereadora de Itajaí por conta de sua postura combativa. É nítido que as pessoas estão desacreditadas da política. Como reverter esse quadro?

AnnaAs pessoas têm visto com desânimo o que vem sendo noticiado sobre a política brasileira. Eu já vejo o lado bom. Espero que a verdade prevaleça, que os culpados sejam afastados da vida pública e que finalmente pessoas bem-intencionadas procurem colaborar com o crescimento do nosso país se candidatando. Precisamos aprender a votar e entender que tudo acaba em política. O preço da comida, a falta de remédio, o buraco na rua! Com a política é possível transformar a vida das pessoas, portanto, não pode ser uma função que nos envergonhe e sim que nos orgulhe. Eu acredito nas pessoas e sei que no nosso país temos mais pessoas boas do que ruins. Vamos reverter esse quadro mostrando que é possível trabalhar pelo certo e acreditando nas pessoas.

Anna Carolina enfrentou eleição machista e quebrou um jejum de mais de 30 anos ao se candidatar a prefeita em Itajaí
Anna Carolina enfrentou eleição machista e quebrou um jejum de mais de 30 anos ao se candidatar a prefeita em Itajaí

DEIXE UMA RESPOSTA