Querem trazer presídio de segurança máxima para Itajaí

0
86

Itajaí – A comunidade itajaiense está se unindo para evitar a concretização de mais uma ideia estapafúrdia de Volnei Morastoni (PMDB). O prefeito agora está trabalhando firme para trazer para Itajaí um presídio federal de segurança máxima e, junto com ele, os presos mais perigosos do país e suas quadrilhas aqui para a nossa terra. O abaixo assinado para reverter essa intenção do prefeito partiu do vereador governista Fabrício Marinho (PPS) e já recebeu o apoio da maioria dos parlamentares. Até o fechamento desta matéria, o documento já continha mais de duas mil assinaturas.

Na última semana uma comitiva do governo Temer esteve em Itajaí avaliando um terreno próximo ao complexo prisional da Canhanduba. A intenção do Ministério da Justiça é investir cerca de R$ 46 milhões no projeto. Apenas a construção do prédio deve custar R$ 22 milhões. O prefeito alega que a vinda do presídio federal de segurança máxima é boa porque que vai gerar cerca de 400 empregos. Mas, como a expectativa é que a contratação seja por concurso público, a maioria dos novos empregados poderá ser de pessoas de qualquer lugar do Brasil e não necessariamente de Itajaí. Além disso, a contrapartida prevê ainda a construção de uma alça de retorno na BR-101 para o bairro Canhanduba, melhoria do sistema de iluminação pública, implantação de câmeras de monitoramento e a já batida promessa de aumento de efetivo policial. Vale ressaltar que o aumento do efetivo depende de novos concursos que demandam investimento direto do governo do Estado, que muda de governador no ano que vem.

O terror que vem junto

O novo presídio federal de segurança máxima prevê 200 vagas. As cidades que poderão abrigá-lo são: Itajaí, Charqueadas (RS), Iranduba (AM), Montes Claros (MG) e Santa Leopoldina (ES). Caso o presídio venha para Itajaí, como o governo de Volnei Morastoni defende, facções criminosas que dominam outros estados, como o Primeiro Comando da Capital (PCC) devem vir junto.

Recentemente servidores que atuam no presídio federal de Porto Velho, em Roraima, receberam o alerta para redobrarem os cuidados devido à ameaça de um ataque articulado pelo PCC. Para “comemorar” o aniversário da facção, no dia 31 de agosto, os criminosos planejam matar um juiz federal, um procurador da República, um delegado federal e pelo menos quatro agentes penitenciários.

Segundo parecer do Ministério Público Federal, o PCC ordenou o assassinato de dois agentes penitenciários e de uma psicóloga do sistema prisional federal no mês passado para desestabilizar e intimidar os servidores que trabalham nas unidades federais do país.

Além dos ataques aos servidores, a vinda de presos líderes de facções pode resultar em disputa de território com facções já existentes na região, o que deve deixar a segurança da cidade e da região ainda mais caótica.

Mesmo sendo da base do governo Fabrício Marinho lançou o abaixo assinado contra a implantação do presídio. Na imprensa o vereador apontou motivos óbvios para que Itajaí não receba a unidade como o impacto que deve gerar no turismo. Além dele outros vereadores já se manifestaram contra a vinda do presídio federal de segurança máxima a Itajaí. A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de Itajaí ainda não se manifestou sobre o caso.

Realidade Atual

DEIXE UMA RESPOSTA