Mais transparência, por favor!

0
82

A semana iniciou com uma nova polêmica em Itajaí. O projeto que prevê o reajuste do IPTU foi encaminhado para a Câmara de Vereadores com pedido de regime de urgência e, caso aceito, o projeto que antes seria discutido e votado por duas vezes, acontecerá em uma ÚNICA oportunidade.

Quando a Prefeitura de Itajaí evita o debate de um projeto tão importante, demonstra desorganização por não respeitar prazos e deixa clara a sua tentativa de não dar a devida transparência aos fatos.

Sem entrar no mérito do projeto, esta era uma ótima oportunidade para a Prefeitura de Itajaí ter apresentado como está a saúde financeira do município, como  e fato chegou a porcentagem que pretende cobrar e o que justifica tamanho reajuste anual, que supera em muito o aumento dos salários dos itajaienses.

É incrível que ainda hoje, com o acesso rápido às informações, o prefeito e os vereadores acreditem que é melhor burlar os protocolos normais para votarem às escondidas. Pode até acontecer de não haver um grande público na hora da votação, mas certamente o resultado dela será divulgado nas redes sociais e o desgaste ou ganho político será enorme.

Em alguns dias fará exatamente um ano que Volnei Morastoni teve o aval das urnas para conduzir Itajaí. Desde então, não apresentou um único projeto que reestruture a administração a fim de reduzir gastos. Ao invés de unir ou excluir algumas das dezenas de secretarias e coordenadorias, criou outra e ultrapassou mais do que o suportável de cargos comissionados. Chegou a casa de 1 milhão gastos em shows e palestras, e outros milhões em publicidade e na compra de livros de autoajuda. Tudo isso em 10 meses e sob os olhares atentos do contribuinte que, finalmente, passou a exigir dos políticos o mínimo de gestão eficiente.

Com a divulgação da votação em regime de urgência, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e a Associação Empresarial (ACII) requereram a retirada do projeto em pauta a fim de ampliar a discussão. Por outro lado, a equipe de cargos comissionados do alto escalão da Prefeitura passou a fazer a defesa do projeto nas redes sociais em horário de trabalho.

Diferenças à parte, sabemos da necessidade do pagamento do IPTU para que a prefeitura possa retornar esse valor ao contribuinte na forma de serviços e melhorias. Mas saber para onde vai o valor desses tributos e como ele pode ser gasto é um primeiro passo para que a população possa fiscalizar e discutir a sua aplicação. Por isso, exigir transparência não se trata apenas de justiça, mas também de obrigação de quem ama e de quem vive em Itajaí.

DEIXE UMA RESPOSTA