Projeto que aumenta o IPTU vai ser votado amanhã na Câmara

0
91

Itajaí – O projeto de lei do Executivo que pretende reajustar o IPTU dos itajaienses em 150%, em média, vai ser votado amanhã (28) na Câmara de Vereadores. Na sessão desta terça-feira (26), quando o pedido de urgência foi aprovado, os ânimos ficaram acirrados entre a comunidade que é contrária ao reajuste e um grande número de comissionados que foi convocado a comparecer na Câmara. O pedido de urgência acabou sendo aprovado. Os únicos vereadores que votaram contra foram: Nikolas Reis (PDT), Robison Coelho (PSDB), Beto Cunha (PSDB), Rubens Angioletti (PSB), Fernando Pegorini (PP), Tonho da Grade (PP) e Otto Luiz Quintino (PRB). Com a aprovação do regime de urgência, o projeto que aumenta o IPTU será votado em única discussão e votação na quinta-feira (28). A promessa é de que a população invada novamente a Câmara para pressionar os parlamentares.

A proposta para aumentar o IPTU tem causado revolta na população, farta de pagar impostos e não perceber o retorno. Nas redes sociais a comunidade tem se manifestado nas redes sociais. Vereadores da oposição já se manifestaram contrários ao reajuste na forma como foi apresentado e protocolaram emendas que diminuem o limite de reajuste.

O projeto do prefeito altera substancialmente a Planta de Valores Genéricos, que será baseada no valor de compra e venda do imóvel estimado pelo mercado. O projeto também fixa o valor do metro quadrado de construção pelo Custo Unitário Básico (CUB/SC). A proposta prevê um reajuste médio de 150%, podendo chegar até 300% dependendo do imóvel e local onde foi construído. Pelo projeto do Executivo, este aumento será repassado aos consumidores de forma gradual, com reajustes consecutivos de 20% ao ano. Vereadores governistas apresentaram uma emenda para que esse índice de aumento anual não ultrapasse 15%.

Entre os parlamentares há um consenso de que a planta genérica precisa ser revista. Mas até mesmo representantes da situação entendem que o aumento muito superior à inflação em um período crítico da economia do país, pode ser considerado abusivo.

População revoltada

Nas redes sociais a comunidade está revoltada com a possibilidade de o imposto ter esse aumento exorbitante e prometem lotar a Câmara nesta semana. O internauta José Luiz Inácio escreveu: “Querem bancar as falcatruas às custas do povo. Acho justo um reajuste, mas de forma coerente”.

Edésio Bertholdi classificou o reajuste como exploração. “Querem tirar todo dinheiro da população de Itajaí, chega de explorar prefeito!”

Outra internauta, Marlene Tucholski escreveu: “gostaria que cada vez que fossem aumentar um imposto, se colocassem nas condições reais da maioria da população, com um salário mínimo, dois e, no máximo, três, que acredito que que a maioria ganha esses valores, aí façam cálculos para ver se, de fato, podemos pagar o aumento”.

Leonardo Pedroso foi mais direto: “Sou contrário ao projeto. A prefeitura está mais preocupada em pagar bem seus 900 servidores comissionados do que com o bem estar do povo”, escreveu.

Já Elaine Gonçalves Weiss de Souza é favorável ao aumento. “Tem que aumentar para ajustar sim, pois muitos já pagam corretamente há anos enquanto outros se aproveitam  de tal inércia pública. Agora precisa ser corrigido, oras. Já passou do tempo”, afirmou.

“Já pagamos imposto demais”, ponderou Ana Marangoni. “O governo não congelou os gastos? Então por que aumentar tudo?”, questionou Jovana dos Santos. Marcelo de Figueiredo Heussi ainda considerou: “Este aumento é abusivo ninguém ganha um aumento desses, nem os políticos. Eu aceito o aumento da inflação anual”.

Vale salientar que, diferente do que diz a prefeitura, Itajaí não passa por crise financeira. Comparado a 2016, o governo arrecadou 10% a mais na soma de todas as receitas.

EntidadesEmendas

DEIXE UMA RESPOSTA